image_pdfimage_print

Numa escala que vai até 5, Mestrado Profissional de Farmanguinhos/Fiocruz mantém conceito 4 na avaliação da Capes


O Mestrado Profissional em Gestão, Pesquisa e Desenvolvimento na Indústria Farmacêutica, oferecido pelo Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz), mantém conceito 4, numa escala que vai até 5, na avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). O anúncio foi feito na semana passada, e refere-se ao quadriênio 2013-2016.

Jorge Magalhães (dir) com a vice-diretora de Ensino, Pesquisa e Inovação, Érika Martins de Carvalho, e o professor da UFRJ, Marcos Cavalcanti, na aula inaugural do ano letivo de 2017 (Foto: Edson Silva)

A nota foi comemorada pela Coordenação do curso na unidade. “Isso é uma vitória, haja vista que a faixa para a modalidade profissional é de 1 a 5. A nossa Comissão de Pós-Graduação vem envidando esforços a fim de consolidar nosso curso com a nota máxima e já havia identificado uma série de fatores que nesta última avaliação da Capes foram destacados”, ressalta o coordenador do Mestrado, Jorge Magalhães.

De acordo com o relatório, a boa nota de Farmanguinhos se deve a vários fatores. Dentre eles está a abordagem de novos tópicos inseridos na grade, como, por exemplo, o BigDATA em saúde, controle microbiológico e registro de medicamentos. A infraestrutura e a aplicabilidade das dissertações no setor farmacêutico foram outros pontos destacados na avaliação.

Segundo Jorge Magalhães, já estão sendo tomadas as providências necessárias para alcançar a nota máxima. As ações perpassam por fortalecer a publicação científica de docentes com seus discentes e, dentre outros, elencar as produções tecnológicas do orientador com o aluno e criar mecanismos de rastreamento para elas. Fato é que a nota de Farmanguinhos foi mantida e, segundo Magalhães, isto valida a unidade a solicitar o Doutorado Profissional, pois somente cursos com nota 4 podem pleiteá-lo.

Foco no Doutorado Profissional – Em relação a esta iniciativa inédita no país, Jorge Magalhães destaca que essa nova formação que Farmanguinhos pretende oferecer aos seus próprios funcionários, estende-se a profissionais de outras instituições. “Proporcionando competências com relevância social, científica e tecnológica dos processos de formação profissional avançada para nosso país, conforme preconiza a Portaria do MEC”, frisa.

De acordo com o relatório da Capes, um dos pontos altos do Mestrado de Far é a abordagem de novos tópicos inseridos na grade, como, por exemplo, o BigDATA em saúde, controle microbiológico e registro de medicamentos. Na foto, uma das alunas faz uma apresentação para a turma (Foto: Gabriella Macedo)

“É também uma oportunidade de ensino ampliada para tratar aspectos essenciais e complementares relativos ao ciclo tecnológico de desenvolvimento de fármacos e medicamentos. Considerando quatro anos para a formação de um doutor, nossa oferta será mais direcionada e integrada com disciplinas contemporâneas e focadas, porém multidisciplinar, diante de um mundo globalizado. Com isso, direcionamos o foco na resolução de um problema profissional, consequentemente um produto tecnológico”, explica Magalhães.

Com a autorização da proposta de Farmanguinhos pela Vice-Presidência de Educação, Informação e Comunicação (VPEIC) da Fiocruz, no momento está sendo elaborada documentação necessária para a implantação do novo curso. De acordo com a Coordenação, o próximo passo é submeter à Capes a Apresentação de Proposta de Curso Novo (APCN), finalizada neste mês.

O documento está alinhado à gama de exigências da Capes, como professores com alto nível de produção técnico-científica na área e linhas de pesquisa do Programa de Pós-Graduação; infraestrutura disponível (bibliotecas, secretaria acadêmica, salas, dentre outros); bem como inserção internacional e outros requisitos relevantes para a criação do curso.

Jorge Magalhães com uma das turmas do Mestrado em aula realizada nesta quinta-feira, 28/9 (Foto: Gabriella Macedo)

Para o coordenador, o resultado da avaliação espelha o esforço contínuo de um Colegiado. “Tenho convicção de que nada se constrói sozinho. Quando assumi a Coordenação, um ano e quatro meses atrás, destaquei a frase de Peter Drucker: ‘Os resultados são obtidos através da exploração de oportunidades e não pela solução de problemas’. Assim, me uni aos colegas que acreditaram em ‘oportunidades’ em meio as ‘adversidades’ para construir um novo caminho com a experiência já alicerçada pelas gestões anteriores. Com isso, o resultado da manutenção de nossa nota, e a conclusão do APCN profissional este mês, é resposta do trabalho de uma equipe que lutou com lisura, isonomia e transparência em cada subcomissão, na CPG e, obviamente, com o apoio da Direção. A todos, quero agradecer e dar parabéns!”

Difusão de conhecimento – Farmanguinhos é um laboratório farmacêutico diferenciado, por cobrir toda as etapas da cadeia produtiva de um medicamento – da pesquisa básica ao produto final. Desde que o ensino passou a integrar a missão da unidade, não faltam motivos para comemorar. Para se ter uma ideia, o Mestrado Profissional foi criado em 2009 e já formou 95 mestres nas três linhas de estudo que o curso trabalha: Pesquisa, Desenvolvimento e Gestão.

Além do Mestrado, o Instituto conta ainda com dois cursos de pós-graduação lato sensu: Curso de Especialização em Gestão da Inovação em Fitomedicamentos; o Curso de Especialização em Tecnologias Industriais Farmacêuticas. Ao todo, a Capes avaliou 42 cursos da Fiocruz, entre os quais Mestrados (acadêmicos e profissionais), além de Doutorados, alguns em rede ou em colaboração com outras instituições.