image_pdfimage_print

Em entrevista, o pesquisador da Fiocruz, Igor Sacramento, fala sobre o impacto das falsas notícias na saúde

No último dia 18 de fevereiro, o pesquisador do Laboratório de Comunicação e Saúde (Laces)/Icict/Fiocruz e professor colaborador do Programa de Pós-Graduação em Informação e Comunicação em Saúde (PPGICS)/Icict, Igor Sacramento, foi ouvido pelo The Washington Post em uma matéria sobre a febre amarela no Brasil (Brazil battles yellow fever – and a ‘dangerous’ anti-vaccination campaing). Nela, o pesquisador fala sobre os boatos contra a vacina da febre amarela no país.

 

Em um momento tão crucial para a saúde da população, diversas notícias falsas dificultam a adesão da população à vacinação contra a febre amarela. No meio de tanta incerteza, o site do Icict conversou com Igor Sacramento sobre o uso das fake news e a pós-verdade na saúde e seus impactos na desinformação da população. Ele afirma que “as fake news não têm como ser combatidas ou eliminadas. Elas fazem parte da dinâmica social contemporânea”, mas defende uma mudança na estratégia de comunicação: “do ponto de vista da comunicação, uma disposição grande para o diálogo, para a empatia, para a compreensão, mas também uma processo de formação que permita que profissionais de saúde conheçam a especialidade do imperativo comunicacional de nosso tempo”.

Clique aqui e leia a entrevista.