image_pdfimage_print
Unidade completou 40 anos no dia 23 de abril de 2016

Unidade completou 40 anos no dia 23 de abril de 2016

O Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos) é uma organização pública de administração indireta e integra o complexo técnico-científico da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), vinculada ao Ministério da Saúde (MS).

Atualmente, ocupa posição estratégica como laboratório farmacêutico oficial vinculado ao MS, com capacidade instalada de produção de mais de 6,5 bilhões de unidades de medicamentos. Farmanguinhos é responsável pela geração de 13% da receita bruta global do Complexo Fiocruz e representa 9% da força de trabalho da Fundação.

Com capacidade de produção de cerca de 50 tipos de medicamentos diferentes, a unidade fabrica antibióticos, anti-inflamatórios, anti-infecciosos, antiulcerosos, analgésicos, para doenças endêmicas, como malária e tuberculose, antirretrovirais para tratamento da Aids e hepatites virais. Também produz aqueles para o sistema cardiovascular e o Sistema Nervosos Central.

Se no passado Farmanguinhos atuava como produtos de medicamentos de atenção básica para abastecer políticas de distribuição em massa, atualmente, o Instituto assumiu papel estratégico dentro da Política Nacional de Medicamentos e da Política Industrial, ao se tornar um importante centro de tecnologia e desenvolvimento de medicamentos especializados de alto valor agregado. Em total alinhamento às demandas do Ministério da Saúde, Farmanguinhos dedica-se à pesquisa e ao desenvolvimento de medicamentos de alto valor agregado e/ou estratégicos para o MS. O resultado prático é a garantia à população ao acesso a estres medicamentos por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

Novas fontes de custeio – Farmanguinhos também se renovou e buscou novas fontes de custeio, principalmente para viabilizar as áreas de pesquisa, ensino e desenvolvimento tecnológico. Por ser uma Instituição pública, Farmanguinhos recebe recursos orçamentários de diversas Fontes. Contudo, a sustentabilidade econômica está ligada aos compromissos firmados com o Ministério da Saúde, através do Fundo Nacional da Saúde )FNS), por meio de Termos de Execução Descentralizada (TED) nos casos de Produção, Aquisição e Distribuição de Medicamentos. No entanto, outras formas de dotação orçamentária complementam a composição orçamentário-financeira, como recursos do Tesouro, a partir de 2012, nas ações de pesquisa, ensino, cooperação internacional e manutenção da Unidade Produtiva; receitas próprias provenientes de vendas diretas às Secretarias de Saúde Municipais e Estaduais; captação junto a órgãos de fomento, visando o apoio a projetos, conforme as prioridades das políticas públicas.

A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) se tornaram apoiadores, e parcerias como o setor público e privado mostraram-se exitosas.

Ao longo dos últimos anos, Farmanguinhos vem firmando um relacionamento importante com empresas privadas, tendo como instrumento as Parcerias de Desenvolvimento Produtivo (PDP), que se mostraram estratégicas do ponto de vista de transferência de tecnologia e know how. O Instituto também mantém acordos de transferência de tecnologia com a Índica, Estados Unidos e países da Europa e da África.

Farmanguinhos trilhou uma trajetória fundamentada ao longo dos anos em desenvolvimento tecnológico e produção de medicamentos

Atualmente, Farmanguinhos avança na excelência em todas as áreas. Como laboratório federal do Ministério da Saúde, o grande desafio está em combinar inovação, desenvolvimento e a internalização das novas tecnologias com o atendimento das demandas das políticas públicas.

A trajetória de Farmanguinhos remonta ao início do século passado, quando entrou em vigor o primeiro decreto para fornecimento oficial de medicamentos. Desde então, sucessivos episódios levaram à atual configuração do Instituto. Em 1976, é incorporados à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que agregou essa atividade, de responsabilidade do Serviço Oficial de Medicamentos.

Em 2004, o Ministério da Saúde adquiriu para a Fiocruz/Farmanguinhos uma nova fábrica, em Jacarepaguá. A incorporação representou para o Instituto um crescimento substancial de sua área fabril construída, que passou de 7 mil metros quadrados, no campus de Manguinhos, para 40 mil metros quadrados no campus de Jacarepaguá, batizado Complexo Tecnológico de Medicamentos (CTM), num total de 105 metros quadros de área a ser mantida.