Download PDF
image_print

Em entrevista ao Consórcio Praziquantel Pediátrico, o gerente de projetos Daniel Lacerda fala sobre a participação do Instituto no desenvolvimento da formulação pediátrica contra esquistossomose

Em entrevista ao Consórcio Praziquantel Pediátrico, o gerente de projetos Daniel Lacerda fala sobre a participação de Farmanguinhos no projeto, que envolve parceiros de diferentes países, para o desenvolvimento de uma formulação pediátrica de praziquantel, medicamento usado no tratamento da esquistossomose. Leia abaixo a entrevista completa.

Farmanguinhos, o laboratório farmacêutico governamental federal da Fundação Fiocruz no Brasil, desempenha um papel fundamental no Consórcio Pediátrico Praziquantel, contribuindo com conhecimentos essenciais para a produção e distribuição futura.

Para descobrir mais sobre Farmanguinhos e seu papel no projeto, conversamos com Daniel Lacerda de Oliveira, Gerente de Projetos em Pesquisa e Desenvolvimento em Farmanguinhos. Daniel também nos contou sobre os esforços que estão sendo feitos durante a pandemia de Covid-19.

Conte-nos sobre Farmanguinhos e seu papel no Consórcio Pediátrico Praziquantel.

Farmanguinhos é um instituto de tecnologia de medicamentos vinculado ao Ministério da Saúde no Brasil. Trabalhando nas áreas de educação, pesquisa, inovação tecnológica e fabricação de medicamentos, desempenhamos um papel importante no sistema público de saúde brasileiro – fabricando e fornecendo medicamentos de alta qualidade e acessíveis para uma ampla gama de doenças, como esquistossomose, malária, tuberculose, hipertensão, diabetes, HIV e muito mais.

Ingressamos oficialmente no Consórcio Pediátrico Praziquantel em junho de 2014 e trabalhamos duro com todos os parceiros para atingir os objetivos do projeto. Nosso principal papel no Consórcio é ser o primeiro local de fabricação da formulação pediátrica de praziquantel. Com nosso conhecimento e experiência no desenvolvimento e fabricação de medicamentos para Doenças Tropicais Negligenciadas, a nossa ambição é produzir um produto de alta qualidade em escala comercial. Quando o projeto estiver concluído, seremos detentores de autorização de mercado para o Brasil.

Qual é o seu papel no projeto e como você viu as coisas progredirem no tempo em que esteve envolvido?

Estou trabalhando neste projeto desde o início do envolvimento de Farmanguinhos. Fomos o primeiro parceiro de país endêmico a ingressar no Consórcio. Juntamente com minha equipe, testamos inicialmente o primeiro processo de formulação e fabricação desenvolvido pela Astellas. Desde então, trabalhamos para produzir e, eventualmente, distribuir o novo produto pediátrico para países endêmicos. Ao longo dos últimos seis anos, vi um grande esforço de todos os parceiros do projeto para superar vários desafios científicos e operacionais, a fim de garantir que alcancemos nosso objetivo de fornecer um produto pediátrico para crianças que sofrem de esquistossomose.

A Covid-19 está obviamente diante de todos no momento, como Farmanguinhos está lidando com os impactos da crise e que contribuições o Instituto está fazendo?

Como Instituto de fabricação de medicamentos, temos um papel importante a desempenhar nesta crise. Estamos fornecendo medicamentos ao sistema de saúde pública do Brasil e nos preparando para ampliar e oferecer suprimentos para um número cada vez maior de pacientes.
Apesar dos contratempos do vírus e de seus impactos diretos em nossa força de trabalho, estamos gerenciando o trabalho do Consórcio da melhor maneira possível para garantir a continuidade e minimizar os impactos tanto quanto possível.

Parceiro de longa data e valorizado no Consórcio Pediátrico Praziquantel, Farmanguinhos está contribuindo para a missão do Consórcio de desenvolver, registrar e fornecer acesso a uma formulação pediátrica adequada de praziquantel, ilustrando o valor e a importância de aproveitar o conhecimento e a experiência local.

Clique aqui e acesse este entrevista e outras publicações no site do Consórcio.