Categoria: Notícias (Página 1 de 69)

image_print

Consórcio Praziquantel Pediátrico: GHIT e EDCTP fazem investimento adicional conjunto de 7,8 milhões de euros

Download PDF

O financiamento apoiará a implementação do programa ADOPT, criando um caminho para apresentação de uma formulação segura para o tratamento de esquistossomose em crianças na idade pré-escolar 

 

O Consórcio Praziquantel para Uso Pediátrico, uma parceria público-privada internacional dedicada ao desenvolvimento de fórmulas pediátricas para tratar a esquistossomose nas crianças em idade pré-escolar, anunciou, no dia 25 de fevereiro, que recebeu financiamento adicional de 2,1 milhões de euros do fundo Global Health Innovative Technology (GHIT) e 5,7 milhões de euros da European & Developing Countries Clinical Trials Partnership (EDCTP). Juntamente com contribuições contínuas dos parceiros do Consórcio, o financiamento do GHIT e da EDCTP apoiarão o programa ADOPT, um programa de pesquisa de implementação para preparar o acesso em larga escala e entrega do novo medicamento pediátrico do Consórcio em países endêmicos.

A esquistossomose é uma das doenças parasitárias mais prevalentes na África Subsaariana e uma das doenças mais danosas em termos de ônus para a saúde pública e impacto econômico. O Praziquantel é o atual tratamento padrão para atendimento. O medicamento é seguro, eficaz e está disponível para adultos e crianças em idade escolar. Atualmente, este grupo de crianças, altamente vulnerável, em idade pré-escolar, tem sido deixada sem tratamento pelos programas de saúde pública, principalmente em função da falta de uma fórmula do medicamento que seja segura para as crianças desta faixa etária. O Consórcio corrigiu esta falha do tratamento ao desenvolver uma fórmula do comprimido praziquantel segura para as crianças desta faixa etária. O comprimido é dispersível na boca e tem propriedades aperfeiçoadas em relação ao sabor. O projeto está na fase III de testes, com um estudo fundamental sendo executado no Quênia e na Costa do Marfim para gerar dados comprobatórios para registro.

Por meio do seu programa ADOPT, o consórcio tem como objetivo identificar abordagens para garantir uma ampla aceitação e acesso justo para o tratamento das crianças em idade pré-escolar acometidas pela esquistossomose. O programa, com duração de cinco anos, considera aspectos que vão da transferência de tecnologia e logística para fabricação e distribuição local do medicamento até a mobilização social e a aceitação da população. Neste sentido, o programa apoiará estudos em países africanos selecionados, incluindo o Quênia e a Costa do Marfim.

“Estamos satisfeitos que nossas propostas de financiamento tenham sido avaliadas de forma positiva, tanto pelo Fundo GHIT quanto pela EDCTP”, afirmou a Dra. Jutta Reinhard-Rupp, presidente do Conselho do Consórcio Praziquantel para Uso Pediátrico e diretora do Global Health Institute, na Merck. “Atualmente, há uma estimativa de que existam 50 milhões crianças em idade pré-escolar que necessitam do tratamento e é o nosso objetivo ajudar a corrigir esta falha no tratamento para eliminar esta doença. Dessa forma, o financiamento adicional é fundamental para assegurar qual o melhor jeito de atingir estes pacientes muito jovens”.

Ao comentar sobre o novo investimento no Consórcio, a CEO e diretora Executiva do Fundo GHIT afirmou: “Estamos muito empolgados em relação a nossa parceria com o Consórcio que remonta a 2013 e agora está adentrando a fase final do projeto. No GHIT, acreditamos que remédios têm um valor imensurável quando são acessíveis, mas não têm valor nenhum se forem inacessíveis. O programa ADOPT será um passo fundamental para unir P&D, acesso, entrega e comunicará as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do país sobre como ter o maior impacto possível com esta inovação”. Enquanto isso, o diretor Executivo da EDCTP, Dr. Michael Makanga, afirmou que: “Alinhado aos nossos investimentos anteriores na fase final do programa de desenvolvimento clínico do Consórcio, consideramos que seria importante apoiar a implementação do programa de acesso. De fato, um desenvolvimento e acesso exitoso de um tratamento pediátrico para esquistossomose, por meio de uma parceria público-privada global, será uma contribuição tangível em relação aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, assegurando que o grupo em idade pré-escolar não seja deixado para trás”.

Saiba mais sobre o Consórcio Praziquantel para Uso Pediátrico em http://www.pediatricpraziquantelconsortium.org

Farmanguinhos obtém pós-registro de tuberculostático junto à Anvisa

Download PDF

O medicamento une Isoniazida e Rifampicina em um único comprimido, facilitando a ingestão, o que melhora a adesão ao tratamento

(mais…)

Farmanguinhos é contemplado no Programa Inova Gestão Fiocruz

Download PDF

Os projetos têm como objetivos redução de preços de medicamentos, uso de radiofármacos para o tratamento de câncer e estruturação de plataforma de bioensaios

(mais…)

Dia Mundial das Doenças Raras

Download PDF
Comemorado anualmente no último dia do mês de fevereiro, a data busca sensibilizar a população, os órgãos de saúde e especialistas para os tipos existentes e todas as dificuldades enfrentadas para conseguir tratamento ou cura
 
Considera-se doença rara aquela que afeta até 65 pessoas em cada grupo de 100.000 indivíduos, ou seja, 1,3 pessoas para cada 2.000 indivíduos. O número exato não é conhecido, mas estima-se que existam entre 6.000 a 8.000 tipos diferentes em todo o mundo.
 
As patologias são caracterizadas por uma ampla diversidade de sinais e sintomas, que variam de enfermidade para enfermidade, assim como de pessoa para pessoa afetada pela mesma condição. Geralmente são doenças crônicas, progressivas e degenerativas. Manifestações relativamente frequentes podem parecer com os sintomas de doenças comuns, dificultando seu diagnóstico, ocasionando elevado sofrimento clínico e psicossocial aos afetados, bem como para suas famílias.
 
Dentre elas, encontram-se: acromegalia, angioedema, artrite reativa, biotinidase, deficiência de hormônio do crescimento – hipopituitarismo, diabetes insípido, doença de Crohn, doença falciforme, epidermólise bolhosa, esclerose múltipla, fibrose cística; hepatite autoimune, hipertensão arterial pulmonar, hipotireoidismo congênito, lúpus eritematoso sistêmico, púrpura trombocitopênica idiopática, síndrome de Guillain-Barré, síndrome de Turner e tumores neuroendócrinos (TNEs).
 
Identificar precocemente uma doença rara pode fazer diferença na qualidade e no tempo de vida de muitos pacientes. Por isso, é importante ir regularmente ao médico para realizar exames de rotina e, caso seja diagnosticada alguma dessas patologias, receber tratamento adequado.

Fevereiro Roxo

Download PDF

A Campanha busca conscientizar a população sobre Alzheimer, Fibromialgia e Lúpus, condições envolve patologias graves, que podem ser tratadas mais facilmente quando identificadas em um estágio inicial

Nos últimos anos, alguns meses vem sendo associados a cores. Começou com o Outubro Rosa, seguido pelo Novembro Azul e, depois, vários outros surgiram. As cores são símbolos de campanhas de conscientização sobre doenças.
 
Isso porque a maioria dessas condições envolve patologias graves, que podem ser tratadas mais facilmente quando identificadas em um estágio inicial.
 
Fevereiro, por exemplo, é mês de ampliar o alerta sobre Alzheimer, Fibromialgia e Lúpus. Essas três doenças são de difícil controle e afetam em muito o bem-estar das pessoas. Por isso, o Fevereiro Roxo reforça a importância do diagnóstico precoce para se conseguir oferecer melhor qualidade de vida aos pacientes, controlando ou retardando os seus sintomas.
 
Conheça algumas características dessas doenças:
 
Alzheimer: provoca restrições cognitivas, perda de memória e até demência, em alguns casos. A doença possui as fases leve, moderada e grave. O comprometimento funcional é o que determina em qual delas o paciente está inserido. Na fase leve, geralmente quando a medicação é adotada, ele leva uma vida praticamente normal e o esquecimento não chega a ser empecilho para as atividades corriqueiras. É mais frequente em idosos e evolui gradativamente, causando prejuízos ao cérebro.
 
Fibromialgia: é uma doença reumatológica que atinge cerca de 3% da população brasileira, especialmente as mulheres, conforme dados da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR). A principal característica é o aparecimento de uma dor muscular crônica e generalizada, acompanhada de sintomas como fadiga, alterações de sono, memória e humor.
 
Lúpus: doença inflamatória autoimune que afeta a pele, as articulações, os rins e o cérebro. Ela ocorre quando o próprio sistema imunológico ataca tecidos saudáveis do corpo por engano. Pode levar à morte, se não for tratada adequadamente.
 
Cuide-se! Mantenha hábitos de vida saudáveis e vá regularmente ao médico para realizar exames de rotina.
 

Página 1 de 69