image_pdfimage_print

De 1º a 7 de agosto, cerca de 170 países se unem para promover, proteger e apoiar uma mesma ação: a amamentação


 

 

 

 

Com informações da Agência Fiocruz de Notícias

 

Incentivar a amamentação. Oferecer apoio e acolhimento às mulheres. Conscientizar a população e os profissionais de saúde sobre a importância do aleitamento materno para a saúde da mãe e do bebê. Contribuir para a redução das taxas de mortalidade infantil, com a consequente melhora da saúde da população infantil e materna. Demonstrar os benefícios que traz para a sociedade e o país.

 

Em 2016, a rBLH-Br beneficiou cerca de 166 mil recém-nascidos internados em unidades de tratamento intensivo e semi-intensivo do país (foto: Peter Ilicciev)

Estes são os principais objetivos da Semana Mundial da Amamentação (SMAM), comemorada desde 1992 em mais de 150 países, por iniciativa da Aliança Mundial para Ação em Aleitamento Materno (World Alliance for Breastfeeding Action – Waba). No Brasil, a Semana Mundial foi coordenada pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) até 1998. A partir do ano seguinte, a coordenação passou ao Ministério da Saúde, que continua a realizar as campanhas em parceria com a SBP.

 

As comemorações da Semana Mundial da Amamentação no Brasil foram instituídas entre 1º e 7 de agosto, por portaria do Ministério da Saúde. Além de utilizar a participação de mulheres e homens famosos como madrinhas e padrinhos, para chamar a atenção do público para a importância do aleitamento materno, as campanhas também adaptam os temas definidos pela Waba à realidade brasileira. Em 2017, o lema é “Trabalhar juntos para o bem comum”.

 

Pioneira no atendimento à saúde da mulher e da criança, a Fundação Oswaldo Cruz mantém-se engajada nas campanhas pelo aleitamento materno por meio das ações do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz). Unidade voltada para ensino, pesquisa, assistência, desenvolvimento tecnológico e extensão no âmbito da saúde da mulher, da criança e do adolescente, o IFF é responsável pela criação e coordenação da Rede Brasileira de Banco de Leite Humano (rBLH-BR) e do Programa Iberoamericano de Bancos de Leite Humano.

 

Criada ainda na década de 1980, a Rede Brasileira de Banco de Leite Humano é considerada a maior e mais complexa do mundo pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Referência para outras experiências internacionais, o Banco de Leite Humano (BLH) idealizado pela Fiocruz é responsável pela promoção do aleitamento materno e execução das atividades de coleta, processamento e controle de qualidade do leite produzido nos primeiros dias após o parto (o colostro), leite de transição e leite humano maduro, para posterior distribuição sob prescrição do médico ou nutricionista.

 

De 31 de julho a 4 de agosto, neste especial, realizado em parceria com o Instituto Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz), a Agência Fiocruz de Notícias publicará materiais que reforçam o protagonismo das ações da Fundação no incentivo ao aleitamento materno. Nos destaques laterais, é possível conhecer as principais iniciativas da Fiocruz em relação ao tema. Outras orientações importantes para mães e profissionais de saúde também estão relacionadas no especial, como entrevistas e material de apoio em livros e vídeos. Como diz o lema da campanha 2017 da Semana Mundial da Amamentação, seguimos trabalhando juntos para o bem comum.