Download PDF
image_print

Alunos de Pós-graduação e pesquisadores da Fiocruz debatem acerca dos desdobramentos de saúde global e ética em pesquisa

Coordenadora de Educação, Mariana Souza, professor e doutor Andrew Farlow, e o Coordenador do Programa de Pós-graduação Profissional, Jorge Magalhães, participaram da mesa de abertura do curso de Saúde Global no CTM / Foto: Viviane Oliveira

Saúde global e ética em pesquisa são temas atuais de relevância e que geram desdobramentos e questionamentos entre profissionais e pesquisadores de áreas, como saúde, ciência e tecnologia. Em maio, Farmanguinhos realizou os Cursos de Curta Duração em Abrangência Internacional, com financiamento da Vice-Presidência de Educação, Informação e Comunicação (VPEIC), e participação de importantes convidados internacionais. Os encontros aconteceram no Complexo Tecnológico de Medicamentos (CTM), em Jacarepaguá, e em Manguinhos, para profissionais e alunos dos Programas de Pós-graduação da Fiocruz, inclusive de outros estados.

Saúde global – O Professor e Doutor da Universidade de Oxford, Andrew Farlow, ministrou o curso Challenges in Global Health, promovido pelo Programa de Pós-graduação Profissional em Gestão, P&D na Indústria Farmacêutica, que explorou o tema central Global Health e a nova disciplina mundial Planetary Health. Com a participação de 37 inscritos, inclusive de outros estados, como Piauí e Minas Gerais, Farlow apresentou um panorama sobre expectativa de vida no mundo, causas de mortes em mulheres e homens e destacou alguns estudos de casos de doenças. O curso também foi oferecido no CTM para especialistas e pesquisadores da Fundação, voltado para um panorama geral sobre os temas.

O Coordenador do PPG Profissional, Jorge Magalhães, destacou a importância da troca de conhecimentos na atualidade. “Esse curso apresentou um novo olhar e a quebra de paradigmas. O mundo mudou e continua em constante adaptação. É premente o trabalho sem fronteiras e multidisciplinar. Vai ao encontro do que o professor Farlow falou sobre a “nova ordem mundial”, afirmou Magalhães.

Ana Devisate, aluna de Biomedicina da Universidade Federal do Piauí (UFPI), participou do curso e considerou uma conquista muito valiosa. “O professor Farlow trouxe análises comparativas contendo informações importantes, que nos fez perceber tamanha complexidade da saúde coletiva no mundo e os desafios enfrentados ao longo dos anos para mudar este cenário”, refletiu.

Reunião de encerramento com o diretor Jorge Mendonça para possíveis novas parcerias / Foto: Viviane Oliveira

Farlow realizou ainda uma reunião para possíveis novas parcerias com Jorge Magalhães, o diretor Jorge Mendonça, o responsável pelo Departamento de Biotecnologia, Fabius Leineweber, Consultor técnico do Centro de Inovação em Biodiversidade e Saúde (CIBS), Benjamin Gilbert, e por vídeo conferência, o expert da instituição de pesquisa e educação botânica, Kew Garden (de Londres), Professor Doutor Bob Allkin.


Ao centro, de camisa xadrez, o professor Deivit Montealegre com os participantes do curso, que abordou assuntos como má Conduta em pesquisa, ética em publicações científicas, autoria e responsabilidade autoral, entre outros.

Ética em pesquisa – O curso sobre Introdução à Ética e Integridade em Pesquisa foi promovido por uma parceria do Departamento de Educação de Farmanguinhos e o PPG em Biologia Celular e Molecular do Instituto Oswaldo Cruz (IOC) e contou com a participação de 30 inscritos. A Coordenadora da Educação em Far, Mariana Souza, salientou o principal ganho dessas parcerias. “Esses cursos dão aos nossos alunos e professores a oportunidade de interagir com profissionais de excelência, além de formar o ambiente ideal para o debate e criação de novas ideias”, enfatizou.

O professor da rede global Globethics.net, que promove o intercâmbio de conhecimentos e investigação sobre ética, Deivit Montealegre, explorou diversos assuntos acerca do tema, como má conduta em pesquisa, ética em publicações científicas, direitos autorais, aspectos éticos na experimentação animal e na pesquisa clínica, entre outros.

O curso foi conduzido através de aulas expositivas e por questionamentos e experimentação, discussão de casos reais e hipotéticos baseados no livro The ORI Introduction to the Responsible Conduct of Research e jogos morais baseados no livro Moral Games for Teaching Bioethics.

Viviane Bastos, pós-doutoranda do Laboratório de Toxinologia, do IOC, comentou o quanto o curso foi extremamente enriquecedor. “A ética e a integridade são valores fundamentais para a carreira científica e eu pude aperfeiçoar meus conhecimentos com profissionais que são referência na área. A minha participação no curso contribuiu de maneira decisiva para reforçar as bases da minha formação científica”, frisou.

Dinâmica de simulação de audiência sobre o uso de animais de laboratório, com os participantes como juiz, júri, advogados de defesa e de acusação. / Foto: Mariana Souza

Almiro Tivane, de Moçambique, está no país desde fevereiro para o doutorado e salientou conteúdo e abordagens do curso. “Já tendo ouvido várias vezes a falar dos conceitos aprendidos durante a disciplina e alguns eram completamente novos, porém ressalto que a abordagem e a seriedade com que foram transmitidos aumentou muito a minha consciencialização sobre os mesmos. Outras coisas ocorriam no nosso dia a dia sem sequer considerar violação a ética nem da magnitude da inflação. Houve discussões interessantes que ultrapassam a parte técnico-cientifica, que no caso envolve as relações humanas e sociais no ambiente acadêmico científico”, concluiu biólogo, pela Universidade Eduardo Mondlane (Moçambique) e mestre em Medicina Tropical, concluído em 2013, pelo IOC.