Categoria: Destaques (Página 1 de 2)

Farmanguinhos/Fiocruz realiza doação de antimaláricos para tratamento em terras indígenas Yanomami

Em parceria com o Ministério da Saúde, medicamentos serão entregues como parte do combate à situação de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional

O Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz) fará entrega emergencial do artesunato + mefloquina, também conhecido como ASMQ. Em concentração reduzida para a população pediátrica, medicamento será direcionado ao tratamento da malária em terras indígenas Yanomami. Doações saíram na terça-feira 18/6, do Rio de Janeiro.

Por ser uma combinação de dose fixa, o medicamento apresenta resultados mais rápidos e eficazes contra a doença. “Farmanguinhos possui uma posição estratégica no combate as doenças negligenciadas e são as melhorias em nossos processos que tornam isso possível. O ASMQ é um desses exemplos. Ele foi projetado para atender às necessidades específicas das crianças, que são as principais vítimas da malária em todo o mundo, sendo um dos medicamentos com maior avanço no tratamento da malária dos últimos 15 anos”, disse Jorge Mendonça, diretor de Farmanguinhos/Fiocruz.

A entrega do ASMQ (25+50) mg será realizada em duas apresentações: serão cerca de 233 mil unidades farmacêuticas, com três comprimidos, e mais de 131 mil, na versão com seis comprimidos (foto: Lean Morgado – Farmanguinhos/Fiocruz)

A entrega do ASMQ (25+50) mg será realizada em duas apresentações. Serão cerca de 233 mil unidades farmacêuticas, com três comprimidos, e mais de 131 mil, na versão com seis comprimidos. “Estamos doando ao Ministério da Saúde todo o estoque disponível de Farmanguinhos para o tratamento pediátrico de malária. Então, apenas nessa concentração, serão enviados medicamentos para mais de 99 mil tratamentos”, disse a responsável pela Divisão de Assistência Farmacêutica de Farmanguinhos/Fiocruz, Vanessa Lordello.

Além do quantitativo doado para o tratamento em terras indígenas Yanomami, serão fornecidos mais 259 mil comprimidos do medicamento as secretarias estaduais. Desses, mais de 132,6 mil são referentes a dosagem 100+200 mg, destinado a uso adulto. As demais, somando 127 mil unidades farmacêuticas, estão na dosagem (25+50) mg e são destinadas a população infantil.

Desde 2023, o Ministério da Saúde (MS) aplica ações de combate à situação de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) em decorrência de desassistência à população Yanomami, declarada por meio da Portaria GM/MS Nº 28, de 20 de janeiro de 2023. À época, foram encontradas crianças e idosos em estado grave de saúde, com desnutrição grave, além de muitos casos de malária, infecção respiratória aguda (IRA) e outros agravos.

A instituição é a única fabricante nacional da associação antimalárica em dose fixa combinada de artesunato e mefloquina. Essa foi uma parceria do Instituto com a Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas (em inglês, Drugs for Neglected Diseases initiative – DNDi), uma entidade internacional sem fins lucrativos. ainda em 2008. “Este modelo bem-sucedido de desenvolvimento farmacêutico colaborativo sem fins lucrativos, liderado por um país endêmico para atender às necessidades específicas de sua população, pode nos ensinar muitas lições valiosas sobre o desenvolvimento de novos tratamentos para outras doenças que exigem atenção urgente – inclusive para combater a epidemia de dengue de rápida disseminação”, disse o Dr. Sergio Sosa-Estani, diretor da DNDi América Latina.

Leia também a matéria do DNDi: Tratamento pediátrico para malária desenvolvido no Brasil por organizações sem fins lucrativos é distribuído a crianças indígenas na região amazônica | DNDi América Latina (dndial.org)

O produto é registrado em quatro apresentações que permitem o ajuste de dose em função das faixas etárias e de peso dos pacientes. Confira abaixo:

Redesenvolvimento Tecnológico

Essa é, também, a primeira entrega do ASMQ após a mudança no processo produtivo de Farmanguinhos. A fim de tornar a fabricação mais eficiente, a instituição realizou melhorias no desenvolvimento desses medicamentos. “Um grande objetivo do projeto era a internalização da etapa de revestimento. Com isso, Farmanguinhos está apto a fabricar ambas as concentrações, tanto para adultos quanto para crianças, sem depender de serviços terceirizados”, comenta a chefe do Departamento de Gestão de Desenvolvimento Tecnológico de Farmanguinhos/Fiocruz, Juliana Johansson.  

A ação, além de diminuir custos e garantir a autonomia a Farmanguinhos em toda a cadeia de fabricação destes antimaláricos, cumpre com requisitos regulatórios da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) mais recentes, especialmente no que se refere a requisitos analíticos. Com isso, é possível assegurar que os produtos finais atendem às especificações de qualidade do medicamento, garantindo a eficácia e segurança do tratamento.

Para isso, foi necessário que o Instituto passasse por novas etapas de aprovação na Anvisa. As alterações pós-registro da maior concentração foram submetidas para a Anvisa em maio/2023 e para a menor dosagem a submissão ocorreu mais recentemente, em abril/2024. Estas alterações foram classificadas como menores no processo de fabricação, não havendo necessidade de aguardar a anuência da agência reguladora para a implementação.

Além do quantitativo doado para o tratamento em terras indígenas Yanomami, serão fornecidos mais 259 mil comprimidos do medicamento as secretarias estaduais (foto: Lean Morgado – Farmanguinhos/Fiocruz)

Etapas de entrega

As doações do ASMQ (25+50) mg saíram nesta terça-feira (18/6), do Rio de Janeiro. “A carga será entregue ao Centro de Distribuição do Ministério da Saúde, em São Paulo, onde ficará sob responsabilidade do Ministério da Saúde”, explica a gerente logística de Farmanguinhos, Cristina Guedes.

ASMQ – o medicamento foi incorporado ao Programa Nacional de Prevenção e Controle da Malária e disponibilizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em 2009. No entanto, teve sua fabricação interrompida em 2021 e voltou a ser distribuído após algumas melhorias em seu processo de desenvolvimento e internalização da etapa de revestimento. Em 2023, foram fabricados e disponibilizados, no SUS, 254,4 mil unidades do medicamento para adultos. Agora, em 2024, Farmanguinhos retomou a produção do ASMQ para menores de 12 anos.

Inscrições para o Curso de Inverno

Acesse o Campus Virtual da Fiocruz de 20/6 a 10/7/2024

O Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz) abre, na próxima quinta-feira (20/6), inscrições para o Curso de Inverno: Pesquisa e desenvolvimento de fármacos e medicamentos. Interessados deverão acessar o Campus Virtual da Fiocruz até o dia 10/7/2024 e preencher o cadastro.

Clique AQUI e se inscreva!

Ao todo, serão disponibilizadas 20 vagas para alunos de Farmácia, Química, áreas da biologia e saúde. As aulas serão realizadas em formato semipresencial, em Farmanguinhos, no campus Manguinhos, localizado no endereço: Rua Sizenando Nabuco, 100, e pela plataforma Zoom.

Confira o cronograma de aulas:  

Curso de inverno – em 2015, Farmanguinhos/Fiocruz iniciou a realização de cursos de atualização sobre assuntos relevantes para os processos da indústria farmacêutica, nas Escolas de verão e inverno.

Leia também: Farmanguinhos lança Mestrado Profissional para candidatos do Mercosul 

Farmanguinhos e Fiocruz Paraná formalizam cooperação entre as Plataforma de Bioensaios

Parceria acontece desde 2019, com a submissão e aprovação conjunta de projeto para o programa InovaLabs 02 da Fiocruz

O Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz) e o Instituto Carlos Chagas (ICC – Fiocruz Paraná) formalizaram colaboração entre as suas plataformas de bioensaios. Oficialmente firmada em maio de 2024, parceria foi celebrada durante a visita da equipe da Plataforma de ensaios antitumorais, do Laboratório de Farmacologia Molecular de Farmanguinhos, à instituição paranaense nos dias 5 e 6/6. Estão envolvidas as plataformas de Bioensaios em métodos alternativos em citotoxicidade, RPT11J, da Fiocruz Paraná; e Bioensaios para triagem de compostos antitumorais, RPT11M, de Farmanguinhos.

Foto: Itamar Crispim/ICC

A iniciativa dará agilidade em projetos desenvolvidos pelas instituições, além de reduzir custos para os pesquisadores. A atuação se dará em quatro eixos temáticos que incluem: pesquisa e desenvolvimento tecnológico; ensino especializado; gestão e garantia da qualidade em plataformas tecnológicas; e captação de recursos na busca de otimizar processos laboratoriais e fortalecer a pesquisa científica.

Segundo o coordenador da Plataforma de Bioensaio de Farmanguinhos, André Luiz Franco Sampaio, uma das vantagens dessa parceria é a facilidade de transferência de amostras. “Os ensaios integrados entre as Plataformas permitem ao pesquisador de Farmanguinhos entregar uma amostra na RPT11M, em Farmanguinhos, e essa amostra chegará a Curitiba sem nenhum trabalho adicional para o pesquisador”, disse. O resultado será um relatório conjunto das atividades realizadas em cada unidade com o potencial de auxiliar na tomada de decisão sobre o desenvolvimento de projetos de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D).

Foto: Itamar Crispim/ICC

O momento serviu, ainda, para o debate sobre a importância da harmonização de processos nas plataformas e como elas podem interligar serviços para apoiar o desenvolvimento de projetos e publicações científicas. O assunto foi abordado pela responsável técnica da plataforma de Farmanguinhos, Ana Paula Gregório Alves Fontão, que esteve junto a equipe da RTP11J e do Laboratório de cultivo de células eucariotas discutindo também boas práticas no Banco de Células do ICC.

Saiba mais na matéria publicada na íntegra pela Fiocruz Paraná. Clique AQUI!

Seminário para alunos da pós-graduação

André Sampaio também esteve no Instituto Carlos Chagas para ministrar a palestra “Ensaios antitumorais na Plataforma Fiocruz RPT11M: da biodiversidade à nanotecnologia”. Evento aconteceu no dia 5/6 e foi promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Biociências e Biotecnologia (PPGBB) da Fiocruz Paraná.

Leia também: Fiocruz e Servier assinam acordo para pesquisas com plantas naturais para tratamentos oncológicos

Nanotecnologia e doença de Chagas são tema de Centro de Estudos

Professor da UFRN, Arnóbio Antônio debateu meios inovadores para a pesquisa de desenvolvimento de fármacos

Com o tema “Por que aplicar nanotecnologia para Doenças Negligenciadas? Uma abordagem em Doença de Chagas”, o Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz) celebrou mais um Centro de Estudos. A palestra foi ministrada pelo professor associado do Departamento de Farmácia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Arnóbio Antônio da Silva Júnior, no dia 5/6, com transmissão ao vivo pelo canal oficial do YouTube da unidade.

As doenças tropicais negligenciadas (DTNs) são causadas por uma variedade de patógenos, incluindo vírus, bactérias, parasitas, fungos e toxinas que acometem pessoas em situação de vulnerabilidade, onde a segurança da água, o saneamento e o acesso aos cuidados de saúde são inadequados “Não existe interesse da grande indústria em produzir medicamentos para essa parcela da população. Então, essa é uma tarefa que fica a cargo dos governos, com o auxílio de institutos de pesquisas e iniciativas”, comentou Arnóbio.

Um dos exemplos dados por ele foi a Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas (em inglês, Drugs for Neglected Diseases initiative -DNDi), parceira na produção do primeiro medicamento pediátrico para a doença de Chagas no Brasil, o benznidazol. Além disso, a instituição realiza uma série de projetos para o rastreamento, diagnóstico e tratamento dessas enfermidades.

Leia também: Novo acordo promete reforçar tratamento da Doença de Chagas 

Outros tópicos também foram abordados, como as limitações dos fármacos convencionais e suas barreiras biológicas, e o uso prático da nanotecnologia utilizada pela UFRN. A universidade foi a responsável pelo desenvolvimento da plataforma de nanocarreadores, que destacam partículas em escala nanométrica, além nanopartículas poliméricas e lipídico-sólidas, resultando em um depósito de patente e publicações diversas.

O professor demonstrou as diferentes estratégias de utilização dessa plataforma em estudos. Uma delas é desenvolvida para o uso de potenciais imunoadjuvantes para a imunização. “Estamos falando de soros, como imunização passiva. E, no caso da doença de Chagas, nós estamos pensando nessa ferramenta para a produção de anticorpos em um possível nanocarreador carregado com as enzimas do parasita”, disse.

Portal Fiocruz – uma das sugestões de Arnóbio, para aqueles que estudam o desenvolvimento de fármacos e medicamentos para DTNs, foi o portal da Fiocruz (chagas.fiocruz.br). O site dispõe de trabalhos de pesquisa e demais materiais educacionais sobre a Doença de Chagas, assim como detalhes sobre a sua história.

Confira a palestra na íntegra em nosso canal oficial do YouTube. Clique AQUI!

Seminário Internacional

Inscrições abertas para formato presencial, no Centro do Rio de Janeiro, e virtual. Confira programação

(mais…)

Página 1 de 2